Mitose

Como falamos anteriormente, a mitose se encarrega da divisão das células somáticas dos organismos, isso é, qualquer célula que dê forma aos tecidos e aos órgãos desse organismo, sendo responsável pela reprodução assexuada unicelular (sem a produção de gametas), pelo crescimento de organismos multicelulares e pela regeneração de tecidos. Nesse processo, uma célula dá origem a outras duas com o mesmo número de cromossomos da célula mãe. Isso quer dizer que uma célula 2n dá origem a duas células 2n e que uma célula n dá origem a duas células n.

Lembram quando falamos sobre os telômeros? Pois então, eles possuem um papel importantíssimo nas células somáticas: servem como um marcador da divisão celular, “avisando” quando essa divisão deve parar. Isso protege o organismo contra divisões fora do controle, como acontece nas células cancerígenas. Com o passar do tempo, os telômeros vão diminuindo de tamanho até perderem sua funcionalidade. Tá, mas qual a importância disso? É que esse encurtamento leva ao envelhecimento. Isso mesmo: as células com telômeros curtos acabam morrendo ou ficando mais vulneráveis a instabilidades genéticas.

Células que precisam se multiplicar frequentemente, como as células germinativas presentes nos testículos e ovários, possuem uma enzima chamada telomerase, que repõe os telômeros, o que propicia o seguimento das divisões celulares. As células-tronco também são um exemplo disso.

A mitose é dividida em quatro fases: prófase, metáfase, anáfase e telófase e citocinese.

As Fases da Mitose

► Durante a prófase: os cromossomos duplicados começam a se condensar, ficando visíveis ao microscópio. Os nucléolos da célula desaparecem e os centrossomos organizam seus microtúbulos, movendo-se para os polos celulares. Ocorre também a degradação da carioteca.

► Na metáfase: os microtúbulos unem-se aos cinetócoros dos cromossomos (agora chamados de fibras cromossômicas), o que possibilita o posicionamento dos cromossomos na placa equatorial (ou placa metafásica). É nessa fase que os cromossomos estão em sua condensação máxima, e é também o momento em que é possível contá-los e classificá-los, o que permite estabelecer o cariótipo do indivíduo – conjunto de cromossomos, cujo número e morfologia são característicos de uma espécie ou de seus gametas.

Identifica-se 23 pares de cromossomos homólogos em homens e mulheres, sendo 22 autossômicos (semelhantes a ambos os sexos) e o último par é sexual, diferente em cada sexo. O cariótipo feminino é 46, XX; o masculino é 46, XY.

► Durante a anáfase: as fibras do fuso se separam dos centrômeros (separação completa das cromátides irmãs), formando cromossomos irmãos que são puxados pelas fibras para os polos opostos da célula.

► Na telófase: os cromossomos se descondensam em ambos os polos celulares, o cinetócoro desaparece e a carioteca e o núcleo se reorganizam. Nessa fase, é concluída a divisão do núcleo, denominada cariocinese, ocorrendo também a citocinese (divisão do citoplasma). A citocinese é centrípeta em animais (começa de fora para dentro, por invaginações de membranas) e centrífuga em vegetais (começa de dentro para fora, formando uma lamela que cresce de dentro para a periferia, separando a célula em duas pela deposição da parede celular de celulose).

Esquema mostrando as fases da mitose.