O Ciclo Celular

Somos seres, assim como todos os outros, que vivem em ciclos. Nascemos, crescemos, nos reproduzimos (processo muito importante no ciclo de vida das espécies) e morremos. Quando começa a nossa formação celular, a partir de uma única célula (o zigoto), originada da união das células da nossa mãe e nosso pai, sucessivas divisões e diferenciações ocorrem, permitindo que essa única célula se torne um embrião. Em seguida, esse embrião segue para o estágio de feto até chegar, enfim, ao nascimento de um novo ser humano. Ao longo da nossa vida, nosso organismo precisa desempenhar funções que são realizadas por células especializadas, cada uma assumindo um papel muito importante na nossa sobrevivência. E, assim como nós, essas células também apresentam fases, que podem ser divididas em duas: a interfase e a divisão celular.

A divisão celular pode ocorrer de duas formas: a mitose ou a meiose. E ocorre de acordo com o tipo de célula que está se dividindo e o que essa célula irá originar. A meiose é responsável por formar as células reprodutivas, aquelas que formam os gametas. No caso dos seres humanos, o ovócito e o espermatozoide; a mitose cuida de todo o resto, ou seja, das células somáticas que formam o restante do nosso corpo.

Na mitose, uma célula dá origem a outra duas, com o mesmo número de cromossomos da célula inicial, ou seja, uma célula 2n origina duas células 2n; já na meiose, uma célula dá origem a outras quatro, com a metade do número de cromossomos da célula inicial. Ou seja, uma célula 2n origina quatro células n.

Vamos estudar detalhadamente o que significa uma célula n e 2n. Vamos começar pelos cromossomos, que tem tudo a ver com isso. É neles que está armazenada nossa informação genética, contendo nossos genes em uma longa sequência de DNA. Cada cromossomo é formado por uma cromátide, possuindo um centrômero e os telômeros em sua extremidade; n é o número de cromossomos que uma espécie apresenta. Dizer que uma célula é 2n (diploide) significa que os cromossomos estão organizados em pares naquela espécie, isto é, existem pelo menos dois genes para expressar cada característica daquela espécie, cada um localizado em um cromossomo homólogo (um par de cromossomos).

Nos humanos, n corresponde a 23 cromossomos por célula e, como somos uma espécie diploide, nossas células somáticas (2n) apresentam 46 cromossomos. É, por isso, também que as células reprodutivas (n) devem conter metade do material genético, para que se juntem 23 cromossomos do pai e 23 cromossomos da mãe, formando um novo indivíduo com 46 cromossomos.

Os cromossomos irão se modificar durante a interfase e a divisão celular de acordo com a fase em que a célula se encontra e o tipo de célula que está se formando. Vamos estudar mais sobre isso agora!

Interfase

A interfase é a fase mais longa do ciclo celular. A organização celular está em constante atividade enquanto ela ocorre, produzindo substâncias, adquirindo nutrientes, crescendo e duplicando suas moléculas de DNA. Basicamente, uma célula em interfase está se preparando para se dividir. Esse período possui três momentos: G1, S e G2.

Cromossomo duplicado.

G1 é o momento imediatamente após a formação da célula. Corresponde ao período em que a célula não está se dividindo, em que ela se foca exclusivamente em realizar sua atividade celular. Portanto, cada cromossomo possui apenas uma cromátide nesta fase, um centrômero e um telômero em cada extremidade. Dura cerca de quatro horas.

S é a fase de síntese. A célula, mesmo realizando suas funções metabólicas, inicia o processo de duplicação do seu DNA: o cromossomo se duplica, passando a ter duas cromátides unidas pelo centrômero (cromátides irmãs). Cada cromátide é uma única molécula de DNA. Dura cerca de dez horas.

G2 inicia quando a duplicação do DNA se completou. É a fase em que ocorre a produção das substâncias que irão contribuir para a formação das novas células que serão formadas; nela ocorre a duplicação das organelas. O centrossomo e o par de centríolos (quando presentes – vegetais não possuem centríolos e a mitose é acêntrica) se duplicam. Finalizando essa fase, a célula passa para a divisão celular. Dura cerca de quatro horas.

Ciclo celular.

O tempo relativo ao ciclo celular varia de acordo com a função desempenhada pela célula. As células da epiderme intestinal, por exemplo, podem se dividir até duas vezes por dia, enquanto que as células do fígado, até duas ao ano. Já as células nervosas, os neurônios, praticamente não se dividem!