O Sistema Circulatório

A circulação é realizada pelo distrito sanguíneo e pelo distrito linfático: no distrito sanguíneo, encontra-se o coração, que é o órgão central da circulação. Ele impulsiona o sangue para vasos denominados artérias. Estas se ramificam em vasos cada vez menores (as arteríolas) e depois em capilares, que conduzem o sangue entre as células dos tecidos. Os capilares se reúnem em vênulas, que se reúnem em vasos cada vez maiores, as veias, que chegam ao coração. Esse sistema é responsável por “nutrir” todos os outros sistemas levando o sangue até eles.

Sistema circulatório.

As artérias apresentam musculatura lisa muito desenvolvida, capaz de suportar a pressão exercida pelo sangue que sai do coração. As veias, por outro lado, possuem musculatura lisa menos desenvolvida, sendo fundamental a participação da musculatura esquelética na condução do sangue. Ainda, as veias possuem válvulas que impedem o refluxo de sangue.

O coração humano possui quatro câmaras, dois átrios e dois ventrículos em que não há mistura de sangue arterial com venoso. Entre o átrio direito e o ventrículo direito há a valva atrioventricular direita (ou tricúspide) e entre o ventrículo e o átrio esquerdos, há a valva atrioventricular esquerda (ou mitral). Na abertura da artéria pulmonar no ventrículo direito, há a valva pulmonar e na abertura da aorta no ventrículo esquerdo, encontra-se a valva aórtica. Elas impedem o retorno do sangue aos ventrículos.

O sangue chega rico em gás carbônico ao átrio direito pelas veias cavas, passa para o ventrículo direito e é impulsionado em direção à artéria pulmonar, que o conduz aos pulmões, onde será oxigenado (arterial). Ele retornará ao átrio esquerdo do coração pelas artérias pulmonares. Do átrio esquerdo, ele passa para o ventrículo esquerdo e deste para a artéria aorta, que distribui o sangue arterial para todo o corpo.

Os movimentos de contração do músculo do coração são denominados sístoles e os de relaxamento, diástoles: quando os átrios estão em sístole, bombeiam o sangue para os ventrículos, que estão em diástole. Quando os ventrículos entram em sístole, os átrios entram em diástole, recebendo sangue venoso (átrio direito) e arterial (átrio esquerdo).

Movimentos de contração do músculo do coração.

Os batimentos cardíacos podem ser originados por fenômenos miogênicos (do próprio músculo cardíaco) ou por fenômenos neurogênicos (estímulos nervosos). Em vertebrados, o estímulo é miogênico, podendo haver alterações por estímulos nervosos.

O ritmo do coração humano obedece a impulsos nervosos provenientes de dois nós especiais do músculo cardíaco: inicialmente, o nó sinoatrial atua como marca-passo determinando a contração dos átrios. Desse nó, partem impulsos nervosos para o nó atrioventricular, que os transmite às fibras condutoras especiais que determinam a sístole dos ventrículos.

O conjunto formado pelo nó sinoatrial e pelo nó atrioventricular constitui o tecido de condução.

O distrito linfático é formado por vasos inicialmente muito finos: os capilares linfáticos. Eles têm fundo cego e se localizam entre as células dos tecidos. Os capilares linfáticos drenam o fluido intercelular, que passa a ser denominado linfa. Os capilares se reúnem progressivamente em vasos de calibre cada vez maiores, que desembocam em ductos linfáticos. Estes levam a linfa para veias de grande calibre do distrito sanguíneo. Os vasos linfáticos apresentam válvulas que impedem o refluxo da linfa. No trajeto dos ductos, há linfonodos (gânglios linfáticos) que filtram a linfa pela ação de linfócitos, retirando bactérias e outros agentes que possam ser patogênicos. Por este motivo, quando os linfonodos estão filtrando a linfa, ocorre um aumento de seu tamanho. Além destes, também participam do sistema linfático os órgãos linfoides, como o baço, o timo, as tonsilas, as adenoides e a medula óssea vermelha. Estes órgãos têm por finalidade defender o corpo, pois há produção de anticorpos, importantes no combate a infecções.

Distrito linfático.

Para saber mais, veja também: