Reconhecendo a Arte Brasileira

E aí, galera do Me Salva! Tudo bem?

Neste capítulo, vamos falar sobre a Arte Brasileira e a importância de reconhecer os diferentes períodos do seu desenvolvimento, desde as suas primeiras manifestações até os dias de hoje. Quando comparada à Arte Européia, que possui milhares e milhares de anos, a nossa arte parece muito recente, já que ela existe no Brasil apenas a partir do século XVI, vinda através dos colonizadores portugueses.

Será mesmo?

Importante lembrar que antes da vinda dos colonizadores ao nosso território, já havia a produção artística realizada pelos indígenas, chamada de arte pré-colonial. Muitas vezes, em debates sobre a Arte Brasileira, a produção artística indígena não é mencionada, geralmente sob o argumento de que a ideia de arte, tal como a conhecemos, não está presente nestes povos.

De fato, ao realizarem um objeto como a urna funerária na imagem acima, a motivação destes povos não era não a de produzir algo apenas para ser admirado. O mais importante era sua função: ser o depósito dos restos mortais de um integrante da tribo. O que não quer dizer que a urna não contenha uma realização sofisticada, repleta de simbologias e de formas harmônicas. Desse modo, a produção estética (tudo aquilo que eles produzem em termos de imagens) desses povos, composta por objetos, tatuagens, adornos, pinturas corporais, dentre outros elementos, está diretamente relacionada com o uso e simbologia desses elementos.

Assim, mais do que nos auxiliar a acertar as questões sobre arte no Vestibular ou no ENEM, conhecer, e reconhecer, a Arte Brasileira é nos tornarmos conscientes do imenso patrimônio cultural que possuímos, e das muitas relações que podemos estabelecer entre a arte e a sociedade a qual pertencemos.