Realismo e Naturalismo: Contexto Histórico

Galera, quando falamos de Realismo e de Naturalismo, é importante que vocês saibam que estamos falando do século XIX! Se o movimento Romântico pode ser localizado principalmente na primeira metade deste século, o movimento Realista e o movimento Naturalista – tão semelhantes que, por vezes, temos a junção Real-Naturalismo – pertence à segunda metade do chamado século científico.

Um paradigma histórico essencial para pensarmos o Real- Naturalismo é a Segunda Revolução Industrial.

Vocês já sabem o quanto toda a produção artística é influenciada por condicionamentos históricos. A Revolução Industrial do século XIX teve papel fundamental na literatura Real-Naturalista.

Uma revolução industrial é uma revolução técnica. Foi um período de grandes inovações tecnológicas que, nesse caso, abrangeu mais ou menos o período entre 1815 e 1870 – mas, claro, essas inovações
continuaram e tiveram consequências nas décadas seguintes.

O século XIX foi um período de grandes mudanças na Europa!
Aconteceram, nessa época: o desenvolvimento da indústria elétrica; o surgimento da iluminação pública e da iluminação nas residências; a invenção do telefone; o surgimento das estradas de ferro e dos navios a vapor; a invenção do cinema pelos irmãos Lumière.

Além disso, no final do século XIX, começaram a ser produzidos, em larga escala, pela primeira vez, os automóveis. Houve, ainda, o desenvolvimento do avião.

Observem, então, quanta coisa estava mudando no mundo dentro de um curto espaço de tempo. Apesar de essas mudanças terem sido muito boas, elas também trouxeram muitas mazelas.

Os artistas dessa época alertavam para a mecanização do sujeito. Eles observam que surge uma lógica pós-industrial: grande parte da população está vivendo exclusivamente a partir de dois princípios: trabalho e lucro. Uma observação que se inicia lá no Romantismo – com uma lógica de separação do mundo – se transforma em forte engajamento e crítica social no Realismo.

No entanto, o Realismo vai além disso. A principal preocupação dos escritores Realistas e Naturalistas é questionar o progresso industrial que está levando à desigualdade social e à miséria de muita gente.

Em função dessa outra forma de ver a realidade, tivemos transformações estéticas na literatura.

Características estéticas do Real-Naturalismo:

► Fim do subjetivismo do Romantismo;

► Busca ou tentativa de descrever a realidade objetivamente;

► Forte crítica social nas obras;

► Obras quase jornalísticas.

Obra fundadora:
Madame Bovary, 1857, de Gustavo Flaubert.

Importante destacar que pensadores de diversas áreas que estavam produzindo nessa segunda metade do século XIX influenciaram os Realistas e Naturalistas. Alguns deles são:

Charles Darwin, que publicou a Teoria da Evolução e escreveu, em 1859, a obra Sobre a origem das espécies. A ideia darwiniana de influência do meio – de que o meio natural causa uma alteração na natureza e de que, consequentemente, essa alteração será importante para a evolução dos organismos vivos – aparece especialmente na literatura naturalista.

Augusto Comte, criador da doutrina Positivista, afirma que, para entendermos uma sociedade, precisamos tratá-la como um objeto, e que, para entendermos esse objeto de forma clara, precisamos utilizar o método científico. Essa lógica de observação científica da realidade é, basicamente, a lógica sob a qual foram escritas diversas obras do Real-Naturalismo.

Karl Marx, pensador alemão, foi outra influência para os artistas da época. Autor do Manifesto Comunista, de 1848, Marx escreve muito sobre a industrialização e olha para o lado do trabalhador, para a realidade dos operários que são explorados pela maquinaria. A questão da luta de classes entre os operários explorados e os detentores dos meios de produção ganha relevância na obra deste autor e também influencia a estética do Realismo e do Naturalismo.

Aspectos importantes do Realismo:

► Racionalismo: a ideia de que eu só posso entender a realidade usando o método científico e sendo o mais objetivo possível;

► Análise Psicológica: para entender a sociedade, preciso entender a psique humana. Os personagens têm uma forte carga psicológica;

► Objetividade: a realidade precisa ser descrita da forma mais objetiva possível;

► Pessimismo: os autores observam que a realidade é extremamente desigual e que não oferece liberdade para os homens e as mulheres da época.

Aspectos importantes do Naturalismo:

► Determinismo do meio: destaque para a importância que o meio social tem na construção do sujeito e na construção da personalidade humana;

► Determinismo dos instintos: homens e mulheres são movidos por instintos animais/sexuais violentos.

Para saber mais, veja também: