Civilização Persa

Essa civilização se edificou na região situada ao leste da Mesopotâmia, onde hoje se encontra o atual Irã, entre o mar Cáspio e o Golfo Pérsico. Ainda que os persas tivesse em seu domínio uma vasta quantidade de terras, seu solo era muito seco. Essa realidade fez com que eles se tornassem ótimos artesãos e exímios comerciantes. A produção de tecidos de luxo e tapetes teve início a partir deles e os famosos tapetes persas advém dessa prática. Além disso, os persas produziam objetos de vidro e de ferro para comercializar com outros povos.

Esta prática econômica vinculada ao comércio só se tornou possível devido à consolidação do Império Persa. Foi por volta de 550 a.C. que Ciro, o rei dos persas, conquistou as tribos dos povos Medos, dando início ao grande Império Persa. Esse império se estendeu durante as conquistas militares de Ciro e seus sucessores, Cambises II, Dario I e Xerxes, chegando a ocupar a Ásia Menor, a Mesopotâmia e o Egito.

A expansão do Império Persa foi consequência de sua tática de conquista de novos territórios. Ao invés de dominarem os outros povos impondo a sua cultura e religião, eles optavam por respeitar o modo de vida dos povos dominados e permitiam que as elites permanecessem sendo elites. Tá, é claro que eles cobravam um tributo, mas não reprimiam como nas demais ocupações da época. Na medida em que eram anexados novos territórios, eram construídas longas estradas e, junto a elas, um sistema de correio. No auge do Império, o território foi dividido em 20 Sápatras. Mas o que é isso? É como se fossem estados para facilitar o controle do território; cada Sápatra tinha um governante aliado do Imperador.

Os duzentos anos de Império Persa tiveram fim em 331 a.C., quando Alexandre Magno, da Macedônia, invadiu-o e conquistou-o.