Ciclos da Vida

Um ciclo de vida pode ser entendido como os diversos processos que ocorrem com um único organismo desde seu nascimento até sua morte. Mas existem outras formas de entender os ciclos de vida. Uma muito importante para organismos sexuados está relacionada com as mudanças que ocorrem na ploidia durante o ciclo de vida. Para você entender a ideia de ploidia, precisa saber que as diferentes espécies sexuadas possuem números específicos de cromossomos. A espécie humana, como outras espécies sexuadas, é diploide, possui dois conjuntos de cromossomos, 23 do vindos do pai e 23 vindos da mãe, somando o número total de cromossomos normalmente encontrados na espécie: 46. Mas os gametas vão ser produzidos por meiose, um processo que reduz a quantidade de material genético pela metade, gerando células com apenas um conjunto de cromossomos da espécie, ou seja, células haploides.

A meiose como um processo para formação de gametas em humanos. Perceba que é um processo reducional, no sentido de diminuir o material genético de uma célula pela metade. A união dos gametas é chamada de fecundação.

Os organismos sexuados podem ter tanto fases haploides como diploides durante seus ciclos de vida. Mas a duração e as variações nessas fases vão resultar em diferentes tipos de ciclos. Vamos ver os tipos de ciclos relacionados com a ploidia. O ciclo de vida, nesse sentido, pode ser classificado como haplobionte ou diplobionte. Preste atenção que isso não está relacionado diretamente com organismos haploides e diploides. Haplobionte significa que os indivíduos “adultos”, nesses ciclos, vão ser ou haploides ou diploides, nunca os dois. Já um organismo diplobionte tem organismos “adultos” haploides e diploides durante o seu ciclo. As palavras são parecidas e podem confundir. Vamos ver cada um desses tipos com calma.

Haplobionte Diplonte

Esse tipo de ciclo de vida apresenta apenas um organismo “adulto”, logo, é um ciclo haplobionte. O organismo “adulto”, nesse caso, é diploide, portanto, vamos chamar esse ciclo de haplobionte diplonte. Os humanos são um bom exemplo, e os animais, de forma geral, apresentam esse tipo de reprodução. Alguns protistas também.

Esquema do ciclo haplobionte diplonte. O ciclo possui apenas um indivíduo “adulto” que é diploide (2n).

Haplobionte Haplonte

Nesse tipo de ciclo, novamente vamos ter apenas uma forma que organismo “adulto”, quanto a ploidia. Assim, vai ser um ciclo haplobionte. Entretanto, ao contrário do anterior, nesse ciclo esse indivíduo é haploide. Por isso, vamos chamar esse ciclo de haplobionte haplonte. É comum em fungos e em alguns protistas.

Diplobionte

Diferente dos dois ciclos anteriores, nesse vamos ter dois tipos de formas “adultas”. Tanto haploides como diploides. Por esse motivo, como mencionado, esse ciclo é chamado de diplobionte. Esse ciclo ocorre em plantas e algumas algas. Por existir uma alternância entre uma fase adulta haploide e uma diploide, é dito que as plantas, por exemplo, apresentam uma forma de reprodução com alternância de gerações ou metagênese. Quando falamos de cnidários, também encontramos o termo alternância de gerações para falar de seu ciclo de vida. Mas é importante destacar que eles não são diplobiontes. O seu ciclo recebe esse nome devido à alternância entre uma fase de pólipo (séssil), que se reproduz assexuadamente, e uma fase de medusa (móvel), que se reproduz sexuadamente, mas tanto pólipos como medusas são diplóides.

Esquema do ciclo diplobionte. Perceba que, diferente dos outros, nesse ciclo existem duas fases “adultas”, uma haploide (n) e outra diploide (2n).

Note que o ponto do ciclo no qual a meiose ocorre é diferente ao longo desses ciclos. No ciclo haplobionte diplonte, que ocorre em humanos, por exemplo, a meiose vai ocorrer nos indivíduos diploides que originam os gametas. Assim, por originar os gametas, a meiose vai ser chamada de meiose gamética, ou mesmo meiose final, porque ocorre “após” o desenvolvimento dos adultos. Já no ciclo de vida haplobionte haplonte, note que a meiose ocorre depois da formação do zigoto, chamada por isso de meiose zigótica, ou meiose inicial, porque ocorre “antes” da formação dos adultos. Por fim, no processo diplobionte, a meiose ocorre nos indivíduos adultos diploides, e forma esporos, por isso, chamada meiose espórica. Os esporos vão originar indivíduos adultos haploides que podem formar gametas por mitose.

Bom, pessoal. Falamos sobre MUITA coisa né?! Passamos por diversos conceitos importantes. Vimos de forma abrangente três grandes temas. As classificações biológicas, as formas de reprodução e os ciclos de vida. Cada um desses assuntos apresenta alguns nomes complicados e raciocínios que podem ser sutilmente complicados. Caso tenha alguma dúvida, tente ler novamente as aulas do MeSalva! que tratam desses assuntos.