Antigo Regime

A desigualdade jurídica entre nobres e não-nobres; a sociedade dividida em estamentos.

A sociedade desse tipo de organização social, também conhecido como Antigo Regime, em que o absolutismo era a principal forma de organização do poder, era o que o sociólogo Elias chamou de Sociedade de Corte, uma sociedade em que a nobreza, aqueles que viviam na corte (espaço social da família real), tinham muito prestígio social.

Isso quer dizer que, no período moderno, todas as pessoas eram nobres e pertenciam à corte? Não, aquela sociedade, grosso modo, se dividia como no esquema ao lado.

No fim das contas, a “lei” (que, nesse caso, dependia muito do rei) não era igual para todas as pessoas no início do período moderno. Somente ao longo da caminhada da história é que o pensamento iluminista começa a suscitar uma ideia de igualdade que, mesmo assim, não era para todas as pessoas.

No meio dessa sociedade dividida por estamentos (algumas pessoas eram consideradas “melhores” do que outras por estarem em estamentos sociais diferentes), não era incomum ouvir coisas do tipo: “você sabe com quem está falando?”, que era uma forma de chamar atenção para o título de nobreza que determinadas pessoas tinham. Ser nobre e não ser nobre eram distinções sociais que diziam respeito à forma como as pessoas eram tratadas por outras naquele espaço social, daquele período específico. Será que algumas coisas não continuam iguais? Sei não…