Ângulos

Você já deve ter passado por situações em que sentia dor nas costas devido à má postura durante os estudos, certo? Essas dores acometem geralmente pessoas que passam muito tempo sentadas trabalhando/ estudando. Por esse motivo, é importante que as cadeiras utilizadas sejam adequadas a seus corpos e a seus postos de trabalho e, ainda, que estejam com o encosto na inclinação correta. Essa inclinação é dada por um ângulo entre as costas e as pernas do trabalhador/estudante, de modo que ele fique confortável para realizar suas tarefas.

Pensando nessa questão, vamos aprender, a partir de agora, quais são
os tipos de ângulos que existem e como eles se relacionam com o nosso cotidiano. Você vai ver que trabalha com ângulos muito mais do que imagina: desde a rua íngreme que você pretende subir de bicicleta até o cálculo mental que precisa fazer para encaçapar uma bola num jogo de sinuca.

Ângulo Reto

É formado por duas retas perpendiculares, resultando em um ângulo de 90°. É representado como um quadrado com um pontinho no meio, como é possível ver na figura abaixo. Esses ângulos são vastamente utilizados. É possível observá-los em cantos de portas, em quinas de mesas e de goleiras, no encontro entre a parede e o chão, entre outros diversos exemplos.

Ângulo Agudo

Rampa e ângulo agudo.

Os ângulos menores do que 90° são denominados ângulos agudos. Dentre as inúmeras aplicações, estão as rampas de acesso para pessoas com deficiência ou para garagens de automóveis.

Ângulo Obtuso

Os ângulos maiores do que 90° são chamados de ângulo obtusos. Você encontra ângulos desse tipo enquanto lê esse livro, certo?

Agora que já sabemos os “nomes” de cada tipo de ângulo, vamos ver como eles se relacionam entre si?

Ângulos Complementares e Suplementares

Temos ângulos complementares se a soma dos ângulos resulta em 90°:

Mas, se a soma resultar em 180°, teremos, então, ângulos suplementares:

Podemos, ainda, fazer relações entre os ângulos formados entre duas retas paralelas cortadas por uma transversal.

Ângulos Alternos Internos

São ângulos formados entre as retas paralelas. Assim, no caso dos ângulos abaixo, D é o ângulo alterno interno de F e C é alterno interno de E.

Ângulos Alternos Externos

São os ângulos formados acima ou abaixo das retas paralelas. No caso abaixo, a é alterno externo de G e B é alterno externo de H.

Ângulos Colaterais Internos

Ângulos colaterais entre duas retas paralelas, se somados, devem resultar em 180° e, portanto, também são ângulos complementares. Como são internos, são os ângulos entre as retas paralelas.

Perceba que além de D + E = 180 e C + F = 180, os ângulos D + C e E + F também resultam em 180o.

Ângulos Colaterais Externos

Já sabemos que a soma deles deve resultar em 180°. Como são externos, são os ângulos acima ou abaixo das retas paralelas

Assim como no caso anterior, note que além de A + H = 180o e B + G =
180o, os ângulos A + B e H + G também resultam em 180o.

Ângulos Congruentes

São ângulos iguais! Perceba que a primeira reta horizontal cortada pela transversal tem os mesmos ângulos que a segunda reta horizontal cortada pela mesma transversal.

Ótimo! Agora que já vimos tudo isso, que tal voltarmos ao problema inicial da postura na cadeira? Dê uma olhada na figura abaixo.

Perceba que temos um ângulo reto (de 90°) e um ângulo obtuso de 120°, né? Então, segundo a ergonomia, o ângulo formado entre as pernas e as costas do estudante deve estar entre 90° e 120° para evitar problemas na coluna. É claro que não é apenas isso que conta para que a pessoa tenha uma boa postura ao ficar nessa posição. Também há a questão da altura da mesa, da altura da cadeira, etc., mas é importante que você perceba como os ângulos estão presentes onde menos esperamos!

Para saber mais, veja também: